ACUSADO DE TRÁFICO: Vereador alega suspeita de Covid e não depõe em processo de cassação

Presos com Jânio Calistro em operação também não prestam depoimento

ACUSAÇÃO DE TRÁFICO 07 de Agosto de 2020 ás 14h 25min

O vereador por Várzea Grande, Calistro Lemes do Nascimento – Jânio Calistro (DEM) deveria depor nesta sexta-feira (07.08) na audiência virtual para prestar esclarecimentos sobre a denúncia de quebra de decoro parlamentar contra ele, por ser um dos investigados na Operação da Polícia Judiciária Civil, denominada “Clean Up”. Segundo as investigações, Calistro é suspeito de ter envolvimento com o tráfico de drogas no município.

A defesa alegou que o parlamentar esteve com problemas de saúde e estaria no centro de triagem do Hospital Santa Rita para fazer exames do novo Coronavírus (Covid-19). “Entramos em contato com Calistro, que não nos atendeu, porém, conseguimos falar com sua esposa Sumaia que acabou nos informando que ele está no centro de triagem com suspeita de Covid-19”, relata o advogado Ricardo Monteiro.

Segundo o advogado de defesa, na audiência de quarta-feira (05.08) as testemunhas faltantes estavam aptas para depor, sendo que João Vanderson Silva da Cunha “Peruca” já estaria em liberdade, porém, continua recluso.  Já a testemunha Lauriano Silva Gomes da Cruz “Coró”, que segundo a defesa contava com o pedido de prisão revogado, não foi localizado, razão pela qual a comissão processante entendeu estar satisfeita com o conjunto probatório, encerrando a fase de oitiva, tendo designado nova audiência somente para interrogar Calistro no dia (10.08).

Porém, a defesa protocolou no final da manhã desta sexta-feira (07) um novo requerimento do representado, apresentando atestado médico de sete dias, além de receituários médicos e pedidos de exames, informando a impossibilidade der ser ouvido na data acima.

Em resposta, a Comissão Processante afirmou que, apesar de estar vinculada ao prazo estabelecido no Decreto Lei n.º 201/1967 para a conclusão dos trabalhos, a situação de doença do vereador trata-se de fato superveniente e de caráter inevitável, e por ele ter comprovado através de documentos a sua condição, redesignou a audiência para o dia (14.08), a fim de não cercear a sua defesa.

“Queremos ouvir todos os lados da história para que o nosso parecer seja proferido de forma justa. O vereador Calistro deve se defender das acusações que foram feitas a ele, mas temos prazo regimental para cumprir”, disse o presidente da Comissão Processante, o vereador Valdemir Bernadino de Souza – Nana (DEM).

Além de Bernadino, faz parte da comissão como relator, o vereador Pedro Paulo Tolares – Pedrinho (DEM) e Carlino Neto (PTB) como membro. A representação contra Jânio à Câmara Municipal foi apresentada por Gesenilton Figueiredo Nelo, Oseas da Costa Farias, Giorgio Aguiar da Silva e Lucas Catisti Lopes Barbosa. A representação foi acatada por 18 votos favoráveis na sessão ordinária do dia (10.03). 

 

Fonte: FOLHA MAX

Comentários