Meninas com menos de 12 anos são maiores vítimas

De janeiro a agosto foram 76 ocorrências em Cuiabá e 39 em Várzea Grande, conforme apurou o RepórterMT.

PEDOFILIA EM MT 19 de Setembro de 2020 ás 14h 13min
Reprodução.

Mato Grosso registrou 553 casos de estupro de crianças e demais vulneráveis este ano. Segundo levantamento da Sesp (Secretaria do Estado de Segurança Pública), de janeiro a agosto foram 76 ocorrências em Cuiabá e 39 em Várzea Grande. Conforme apurou,  70% são meninas que têm menos 12 anos.

 

Os casos de violência sexual que aterrorizam as famílias em 2020 são menos do que as ocorrências registradas no ano passado, mas essa redução, para a polícia, não é real. A queda de 26% nos registros de estupro de vulnerável ocorre por uma série de fatores, entre elas a falta de convivência direta com as professoras, que por muitas vezes são as denunciantes, e ainda o isolamento da mãe em casa, com o aumento da taxa de desemprego. Em 2019 foram 705 casos no Estado.

 

“Não podemos levar em consideração esses números devido à pandemia. Só depois que tudo isso passar faremos uma análise fria, pois muitas denúncias desse período podem surgir. Nós mudamos a forma como se denuncia. Antes, praticamente todos os responsáveis, pai, mãe, vinham à delegacia fazer o boletim de ocorrência. Durante a pandemia as vítimas encontravam dificuldade de encontrar ônibus, o medo de contrair o vírus. Tudo isso pode ter contribuído para essa diminuição", considera o delegado Cláudio Álvares Sant'Ana, da Delegacia Especializada da Mulher, Criança e Idoso (DEDMCI), de Várzea Grande.

 

Durante a pandemia as denúncias passaram a ser feitas, na maioria das vezes, pelos canais de atendimento da polícia, através do disque 100 ou 180.

 

O fechamento das escolas também pode ter refletido na redução no número de casos.

 

“A professora tem sido um canal muito importante para a polícia. Ela nota as mudanças comportamentais da criança. Aquela que antes era extrovertida, conversava com todo mundo, tinha facilidade no aprendizado; do dia pra noite, fica introspectiva, triste e isso faz com que reflita nas suas notas.  Aos sinais que algo não está normal com a criança, e suspeitando, ela procura a polícia”, comenta.

 

Na maioria dos casos de abusos sexuais contra crianças, elas não denunciam o abusador. Se sentem culpadas e envergonhadas. Em 90% dos casos são pessoas de muita confiança, parentes ou amigos muito íntimos da família. 

 

Para denunciar caso de abuso sexual, estupro ou agressão, disque 180.

 

Fonte: Reporter MT

Comentários