Estratégico e letal, Flamengo atrai Del Valle para armadilha e dá o troco com vitória e vaga na libertadores

Equipe joga com inteligência para usar qualidade na saída de bola dos equatorianos e abrir espaços que foram atacados com objetividade e eficiência na noite de quarta

O TROCO 01 de Outubro de 2020 ás 09h 55min
Bruno Henrique e Arrascaeta comemoram gol do Flamengo contra o Independiente del Valle — Foto: Staff Images / CONMEBOL

O troco. O Flamengo venceu, convenceu e lavou a alma no Maracanã. E pouco importa se faltou um gol para devolver o placar de Quito. O 4 a 0 sobre o Independiente del Valle na noite de quarta-feira foi construído com autoridade e coletividade. Resposta na bola para as declarações de Miguel Angel Ramirez de que tinha um time melhor.

 

 

O Flamengo teve uma atuação inteligente desde o primeiro minuto, e o Independiente del Valle caiu na armadilha de Jordi Guerrero. Os três homens de frente faziam sombra na marcação da saída de bola e deixavam os zagueiros trocarem passes sem tanta pressão até o grande círculo. A partir daí, se deparavam com um adversário sólido defensivamente.

 

 

Bem ajustado, o Flamengo roubava a bola e espetava com muita velocidade. Vertical, explorava os espaços nas costas justamente daqueles defensores que tiveram campo para avançar até serem efetivamente pressionados. O Del Valle tinha a bola, o Flamengo tinha a agressividade. E foi assim o jogo todo.

 

 

Como na partida de Quito, os equatorianos levavam perigo em chutes da entrada da área. Os brasileiros, por sua vez, tinham repertório e a sintonia do trio de centroavantes que se movimentava sem bater cabeça e dava opção para os passes de Arrascaeta.

 

 

Gabriel e Lincoln estavam à vontade pelos lados, enquanto Pedro era generoso e abria espaços para a infiltração dos companheiros. Foi assim que Lincoln aproveitou avanço certeiro de Matheuzinho, fechou pelo meio e abriu o placar.

 

 

Em desvantagem, o Del Valle se lançou ainda mais e ofereceu mais espaços. Não tardou para que o segundo gol representasse com fidelidade a estratégia bem sucedida do Flamengo. Roubada de bola de Lincoln, lançamento de primeira de Thiago Maia, arrancada de Gabriel naquele espaço vazio que já citamos e gol de Pedro.

 

 

Por mais que os equatorianos tivessem maior posse de bola (68% x 32%) e mais finalizações (21 x 13), tiveram pela frente uma linha defensiva toda com idade sub-20, mas segura e bem postada. Natan e Noga deram conta do recado e abriram portas em um cenário onde Gustavo Henrique e Léo Pereira não conseguem se firmar.   

  

                                                          

 

Nas laterais, Matheuzinho e Ramon foram equilibrados defensiva e ofensivamente. Se da direita saiu a assistência para o primeiro gol, da esquerda veio um passe primoroso para Arrascaeta já no segundo tempo. Bruno Henrique, que entrou no lugar do lesionado Gabigol, fez no rebote e iniciou o troco particular com Pinos.

 

 

Foi em dividida com o goleiro que o atacante teve lesão no joelho ainda em fevereiro, no jogo de ida da Recopa, e perdeu parte da temporada. Já na reta final da partida, Arrascaeta ainda voltou a explorar aqueles espaços na defesa do Del Valle para Bruno Henrique deixar Pinos e a má fase para traz e decretar: 4 a 0. Placar final.

 

 

Se faltou um gol para o troco completo, sobraram motivos para comemorar. Vitória, grande atuação e classificação antecipada para as oitavas de final da Libertadores.

 

Fonte: G1

Comentários