Cooperativas de crédito se unem na entrega de doações a comunidade indígena no Pantanal

Comunidades de indígenas pantaneiros perderam grande parte de sua plantação e animais devido ao fogo.

SAÚDE 28 de Outubro de 2020 ás 07h 58min
Ação social Sicoob – Pantanal — Foto: Arquivo Sicoob

Uma das áreas atingidas pelas queimadas no Pantanal em Mato Grosso, a Terra Indígena Baía do Guató, recebeu de cooperativas filiadas ao Sicoob Rondon doações de alimentos, sementes para plantação e água. 

A ação surgiu da união de voluntários nas agências para ajudar famílias atingidas pela destruição no local.

As três comunidades da região, Coqueiro, São Benedito e Aterradinho, localizadas em Barão de Melgaço (MT), perderam grande parte de sua plantação e animais devido o avanço das queimadas, prejudicando a sobrevivência dos moradores.

 

 

A entrega das doações foi realizada por colaboradores voluntários do Sicoob, no início de outubro, e serão igualmente distribuídas entre as famílias.

Ao todo, foram arrecadadas 80 cestas básicas, doadas por cooperados, colaboradores e voluntários, em uma parceria com o Sicoob União MT/MS, Sicoob Integração, Sicoob Cerrado MT e Sicoob Fronteiras.

A ação social teve como objetivo contribuir com os moradores da comunidade indígena que passam por dificuldades diante das queimadas no estado.

Presidente do Sicoob Central Rondon, Aifa Naomi, conta que a iniciativa partiu do Conselho de Administração da cooperativa Sicoob União MT/MS diante dos prejuízos causados ao Pantanal com as queimadas e o período de seca.

Após uma pesquisa, a Terra Indígena Baía dos Guató foi identificada em situação bastante precária. Com cerca de 19 mil hectares, ela teve mais de 80% de área destruída pelas queimadas, de acordo com um levantamento do Instituto Centro de Vida (ICV).

Os guatós são um dos poucos povos indígenas do Pantanal que sobreviveram ao contato, tendo sua renda baseada pela pesca, venda de iscas e alimentos produzidos na própria aldeia

 

“A nossa intenção foi ajudar essas comunidades, pois os prejuízos já foram feitos. O que queremos e podemos agora é contribuir com a reconstrução do que foi destruído. Um pouco que pudemos fazer, já aliviará a situação dessas famílias. O Pantanal é um patrimônio muito importante e temos que ter todo o cuidado e respeito. Agradeço ao apoio das cooperativas co-irmãs que também se mobilizaram e ajudaram com as doações”, acrescenta Aifa.

 

Tendo a agricultura de subsistência como principal fonte de alimentação e renda, os guatós têm enfrentado semanas de muitas dificuldades com a perda da plantação, queimada pelo fogo.

Além de servir de base do ‘pão de cada dia’ das famílias, os alimentos produzidos pela comunidade também eram vendidos para o comércio e rede hoteleira da região, contribuindo com a renda dos indígenas.

“Vivíamos da pesca e da nossa roça para comer. Foi tudo queimado. Nossos pés de milho, abacaxi, mandioca, banana, cana, tudo. Estamos sem renda e precisando de comida. Era com o dinheiro da venda desses produtos que comprávamos mais alimentos para a comunidade.

As doações de sementes serão muito importantes porque conseguiremos plantar tudo de novo”, relata o líder indígena dos guatós, Guilherme Pedroso da Silva.

A ida da equipe do Sicoob até a comunidade indígena contou com o apoio do voluntário da ONG É O Bicho MT, Sandro Lucose.

A instituição foi uma das primeiras a se organizar nos atendimentos a animais atingidos pelas queimadas e comunidades ribeirinhas. “É uma ajuda de diversas mãos. Temos o apoio do Sicoob e de parceiros como o Amigos do Pantanal, Assembleia Social, Jovens Solidários e o IFMT”, finaliza.

Fonte: G1 MT

Comentários